Esquecidos pensamentos!

Desde o dia de Natal que aqui não venho!

É muito tempo, não é?

E os meus pensamentos, por onde andam eles?

Estão na mioleira, claro, pois é de lá que eles saem para aqui.

Na última vez que por aqui passei, falei-vos do Mário Soares que escolheu uma má altura para morrer estragando o Natal a toda a família. Nestes dois meses e picos que entretanto passaram, morreu, foi enterrado, muito de falou da fortuna que deixou aos seus filhos e hoje já está esquecido. A fortuna que ele deixou faz-me pensar – estão a ver os pensamentos a fervilhar? – que talvez não tenha sido (toda) conseguida da forma mais honesta. Se ele era tão socialista como apregoava, devia ter dividido um pouco com os milhares de pobres que viveram à sua volta e deixar menos para os filhos. Mas, se calhar, sou eu que estou a pensar demais!

Há gente assim!

Passado o período das publicações natalícias regresso  à minha condição de pensador. E o meu pensamento de hoje vai para o Dr. Mário Soares que apostou em estragar a festa de natal a toda a sua família. Com 366 dias que teve ao seu dispor, durante o ano de 2016, logo havia de escolher o dia 24 de Dezembro para lhe dar o badagaio. A sua família ficou obrigada a fazer vigília no hospital, em vez de passar o Natal em casa com boa comida e melhor bebida e umas guloseimas para adoçar a boca.

Os chamados Ex-Combatentes que fizeram a Guerra do Ultramar e os Retornados das nossa ex-colónias estão ansiosos por vê-lo ir fazer as contas com o Diabo!

Era uma vez!

Não perpassou pela minha mente qualquer pensamento que valha a pena aqui registar. Acontece que a Mariana estava a espirrar para fora da coluna onde devia ficar arrumadinha e assim, com este novo post, faço-a desaparecer.

E leva com ela os meus pensamentos vagabundos!

Pensamentos vagabundos!

Hoje dei comigo a pensar na Mariana Mortágua. Ela é boa rapariga. Ou deveria dizer, uma rapariga boa? Morenaça, de olhos vivos, ela não é nada de se deitar fora. Será que se depila? Seria uma pena, pois gosto de mulheres com os pelos todos com que a mãe natureza as presenteou.

O vento sopra para o lado que quer, os meus pensamentos também!

Nem sempre é assim, mas…!

A idade traz muita sabedoria e, nos meus tempos de criança, eu ouvia os mais velhos dizerem que – pai rico dá filho pobre e pai pobre dá filho rico.

Hoje acordei com este pensamento a martelar-me nas têmporas e comecei a pensar se isso era verdade no meu caso. E tenho que reconhecer que sim. O meu pai nasceu pobre e morreu pobre. Teve 13 filhos, 8 rapazes e 5 raparigas, e todos vivem melhor que o pai que lhes deu a vida.

Pobre não quer ser pobre e luta com todas as forças para sair do buraco onde nasceu. Rico nasceu rodeado de todo o conforto, sem sentir falta de nada nem saber o valor das coisas. Não saberá como resolver o problema se ou quando o dinheiro dos seus pais se acabar..

Penso que o 44 tem culpas no cartório!

Era hoje o dia de sabermos a verdade sobre as acusações que pendem sobre a cabeça do Pinóquio. Mas as coisas não são assim tão simples. Quem tem dinheiro consegue mover influências por todo o lado para lançar areia da engrenagem. E dinheiro ele tem, senão já os advogados teriam dado à sola. E as contas do dia-a-dia também estão a ser pagas, senão já se saberia e talvez até já tivesse recorrido à «Sopa dos Pobres» para matar a fome.

Só lá para Março do próximo ano saberemos que provas conseguiram reunir para acusar o nosso artista e até pode acontecer que não sejam consideradas suficientes para o condenar. E com a falta de cooperação dos nossos “amigos” do Reino Unido, da Suíça, do Brasil, etc. entende-se que o processo ande mais devagar que uma tartaruga. A fazer fé no ditado que diz que “a justiça tarda, mas não falha”, há-de chegar o dia dele sentar o cu no mocho.